domingo, 17 de março de 2013

Três Homens em Conflito ( O Bom,o Mau e o Feio )

Se alguem  dizer "assobia uma música de Faroeste" , todo mundo assobia a mesma música.A música do filme Três Homens em Conflito(Il buono, il brutto, il cattivo) de 1966.O filme é sensacional.

Nos anos 60 Hollywood estava cansada de filmes de faroeste,então o diretor italiano reinventou o gênero, criando o chamado "Western Spaghetti",com um estilo diferente de faroeste,menos idealizado e mais realista de um certo modo.Os faroestes americanos GERALMENTE apresentava protagonistas limpinhos. pareciam mais cosplayers.Nos filmes italianos (a história dos filmes se passava no EUA,no México ,mesmo sendo filmes italianos) os personagens eram imundos,suavam,tinham dentes feios...Ou seja,eram filmes mais realistas,bem,até certo ponto eram.





O primeiro filme de "Western Spaghetti" foi Por um Punhado de Dólares (1964).Sergio Leone praticamente plagiou o filme Yojimbo (1961) do japonês Akira Kurosawa,apenas mudando a história de um samurai sem nome para um pistoleiro sem nome.Por um Punhado de Dólares foi o primeiro filme da Trilogia dos Dólares de Sergio Leone.O segundo foi Por uns Dólares a mais (1965) e o ultimo foi Três Homens em Conflito de 1966,que é o assunto dessa postagem.

Por mais que tenham feito história,os dois primeiros filmes da Trilogia dos Dólares foram filmes menores.Três Homens em Conflito (ou  O Bom,o Mau e o Feio como é conhecido) foi a chance de Leone contar "A grande história" num faroeste.O filme se passa na época da Guerra Civil americana e conta a história de Três homens:Clint Eastwood intepreta um homem sem nome(apelidado de Lourinho) e é o Bom.Lee Van Cleef intepreta um militar malvado, Angel Eyes,o Mau.Eli Wallach interpreta um bandido,um mendigo completamente amoral chamado Tuco Benedicto Pacifico Juan Maria Ramirez,ou simplesmente Tuco (ele é o feio).Tuco e o Lourinho são parceiros num negócio interessante:Lourinho entrega Tuco para as autoridades e recebe uma recompensa por isso.Quando Tuco vai ser enforcado,Lourinho o liberta e Tuco foge e a recompensa pela sua captura aumenta.Aí a  Lourinho o captura de novo e recebe a recompensa.

 Os dois começam a brigar então Tuco resolve matar Lourinho,mas antes o tortura,o obrigando a andar pelo deserto quente,sem  direito a água.Quando Lourinho está quase morrendo,Tuco resolve mata-lo,porém uma carruagem com soldados moribundos aparece,e um deles diz que se Tuco der um pouco d´água ele diz onde tem escondido 200 mil em ouro. O soldado só diz onde fica o cemitério, mas não onde fica a cova. Enquanto Tuco vai buscar água,o soldado diz a Lourinho onde fica a cova,mas não diz qual o cemitério.Então o soldado morre então Tuco e Lourinho se unem e  iniciam uma jornada pelo oeste americano devastado pela guerra para encontrar os 200 mil em ouro(que hoje em dia devem valer 11 milhões de dólares).Eles passam por campos de batalha,campos de concentração,hospitais,cemitérios e tudo isso com o militar  Angel Eyes atrás deles e da recompensa.

O filme eu considero o melhor faroeste de todos ,e se eu fizesse um TOP 10 dos melhores filmes da história,esse filme estaria nele.

O interessante do filme é que os personagens foram definidos como "O bom,o mau e o feio" ,mas os três mostram uma certa bondade os três mostram maldade, e os três são feios (tá, o Clint até que não) até nos traillers americanos do filme,o feio era mostrado como se fosse o mau e o mau foi mostrado como se fosse o feio.Isso mostra que os personagens não são idealizados,são pessoas,com sua falhas de carater,com sua moralidades e amoralidades.O filme tambem mostra que os dois lados da guerra civil americana não são ou completamente bonzinhos ou completamente malvados,coisa que geralmente nunca vemos num filme americano.

Três homens em conflito pode ser encarado até como uma comédia.Principalmente pela parte de Tuco,que é o personagem que mais aparece no filme.

Sergio Leone se inspirou muito no épico de guerra A Ponte do Rio Kwai (1957).Não foi um plágio como Por um Punhado de dólares foi de Yojumbo (Leone foi processado pelo diretor de Yojimbo e teve que ceder os direitos de venda do filme para a Ásia para esse diretor como punição).Uma das claras influencias de A Ponte do Rio Kwai para Sergio Leone foi (além da cena da destruiçao da ponte) o não maniqueismo dos lados da guerra.



É claro que não podia deixar de falar da trilha sonora do filme,uma das melhores (se não a melhor) trilhas sonoras originais que existem.O Maestro gênio,perfeito Ennio Morricone arrebentou nesse filme.A música foi de suma importancia ao filme não só por ser bem composta,bem arranjada e bem marcante,mas porque Sergio Leone pedia para que Morricone  composse a música e a cena era montada em cima da música.O bom de ver as cenas é que no duelo (ou seria trielo) final ,que se resolveria em segundos,demora muitos minutos,dá um suspense danado.A gente quer saber o que acontece no final,mas a música tá tão boa que a gente não quer que acabe.Pessoalmente eu vejo o trielo final no youtube sempre,e sempre fico na apreensão.A cena do Tuco correndo feliz pelo cemitério,com a música "The Ecstasy of gold" tocando é arrebatadora.A banda de metal Metallica sempre toca essa música em seus shows.


Por mais que dure umas 3 horas eu recomendo assistir esse filme.Deu até vontade de assistir ele de novo.


sábado, 16 de março de 2013

Laborioso - Um conto da Máfia

O conto abaixo faz parte do livro que um dia eu terminarei de escrever.Por favor,leia e comente dizendo sua opinião


-Escuta aqui cara,é o seguinte,ou você coloca sua assinatura nesse papel,ou nós colocamos os seus miolos nele.
-Certo,certo,mas porque que vocês querem que eu autorize essa criança a visitar o Jardim Botânico?
-Droga Oli,você pegou o papel errado – Disse Giovanni a Oli,que tinha pegado o papel errado.Ele deveria ter pego um documento que autorizaria uma construção de Cesare,mas no lugar levou um bilhete da escola de seu filho.
-Bom,então continue segurando esse cara aí que eu vou lá em casa e pego o documento certo.Eu sei que ele está lá. – Disse Oli,constrangido.
-Esquece,vamos colocar o cara no porta-malas. – Disse Giovanni,com raiva.
Então eles pediram com educação para que o cara fingisse que estava tudo bem e continuasse andando,até sair da lanchonete do lado da prefeitura e entrasse no porta malas do Fiat Tipo arranhado do Oli. “Educação” é um eufemismo para “uma pistola nove milímetros apontada”.
-Por favor,não façam mal a mim.Eu tenho família - Disse o funcionário da secretaria de  Infraestrutura Urbana e Obras.
-Me poupe!Pior que um burocrata,é um burocrata chorão – Disse Oli.
Então eles colocaram o burocrata no porta-malas e seguiram para casa de Oli.
-Droga ,tá um engarrafamento enorme! – Exclamou Oli
-É São Paulo Oli,você sabe – Disse Giovanni
-É... mais nessa hora?
- É São Paulo Oli,você sabe
-Vou colocar uma música.
-Atenção ouvintes,um acidente com helicópteros que cobriam o engarrafamento para emissoras de Tv rivais acaba provocando um engarrafamento ainda maior.O congestionamento chega a 250 quilômetros.
-Inacreditável! – Exclamou Giovanni
-É...como a gente liga o rádio justamente na hora que aparece uma noticia importante para nós.Parece coisa de filme.
-Não Oli,é o congestionamento.Nós temos que entregar esse documento assinado hoje para o chefe.Se não ele...fica zangado.
-Põe a culpa no transito
-Oli,não é um emprego comum,é a máfia
-Ah... Deixa pra lá. Você vai se sair bem dessa. Duvido que o Cesão mate alguém da família.
-Será?Mas e você?
-Deixa pra lá!Vou procurar uma música boa aqui no rádio.Será se tem uma rádio que toca musica italiana aqui.
-Se tiver não coloque nela. Eu detesto essas musicas.
-Mas você é italiano.
-Por isso mesmo. Lá em casa desde criança, o tempo todo,nas festas ,no dia-dia eu sempre ouço essas musicas.Coloca aí um pagode,um rock...Até musica evangélica.
De repente o celular de Giovanni toca.É Tony.
-Meu celular tá tocando.É o Tony.Oi Tony.
-Giovanni,esqueça o que você está fazendo agora.Um bandido acusado de trafico e estelionato viu o Mateo matando uma pessoa.Ele está preso.
-Mateo está preso?!
-O cara que viu o Mateo matando.
-E daí?
-Ele está numa delegacia aí perto de onde vocês estão.Ele vai acabar abrindo o bico e denunciar o Mateo para diminuir a pena.Vocês tem que tira-lo de lá.
-Espere,como você sabe onde eu estou?
-O aplicativo do Smartphone.É a tecnologia a serviço da máfia.Desligo.
-Droga.
-O que foi Giovanni? – Perguntou Oli.
-Você não prestou atenção na conversa?
-Não,eu estava prestando atenção no transito.
-Olha,nós temos que ir até a uma delegacia próxima daqui e acabar com um cara que vai denunciar o Mateo.
-Mas nós nunca chegaremos.O transito tá parado.Não tem nem como a gente sair daqui.
- A pé tem.
-Ah não.Eu não vou deixar meu Fiat Tipo sozinho aqui não.
-Vamos cara,é sério.Ninguem vai roubar seu carro.Se alguém roubar eu dou o meu Smartphone para você. – Disse Giovanni num tom de piedade.
-Não cara,eu nunca aceitaria...
-Eu te decepo se você não for comigo – Disse Giovanni num tom ameaçador.
-Certo,vamos e ...Ai!
-O que foi Oli?
-Com esses motoboys nós nunca vamos conseguir passar por esses carros.Tá cheio deles.
-Espere,eu dou um jeito nisso.
Então Giovanni esperou um motoboy se aproximar,estendeu o braço e cerrou os punhos.O motoboy bateu a cabeça no braço de Giovanni e caiu da moto.O motoboy se levantou e foi reclamar com Giovanni,que apontou uma arma para ele.Giovanni ameaçou o motoboy e o mandou tirar o capacete e entrar no Fiat Tipo do Oli.Então Giovanni deu um tiro na cabeça do motoboy.Sangue e miolos se espalharam pela parte de trás do carro de Oli.O motoboy morreu.Oli ficou com raiva.
-Você sujou meu carro.E matou um cara friamente...No meu carro!?
-Agora temos uma moto.Cara,ele só tinha um capacete.Vamos logo,eu uso o capacete.
-Certo.
Oli fez o sinal da cruz,todo errado,mas fez e subiu na garupa da moto.Giovanni pilotou a moto.Ele estava com capacete,Oli não.Para acabar com o suspense e agonia,o motoboy não era Nilton.
-Giovanni,como a gente vai chegar na delegacia e tirar o cara?Esse serviço tem cara de Mateo.
-Nós improvisamos.Somos os Tortoni não é?
-Eu sou só há pouco tempo.Sou um estagiário da máfia.
-Não fale um absurdo desse!Você é um membro valioso dos Tortoni.Estagiário é o Tony.
-Puxa,obrigado.
-Mas deixe de sentimentalismo. Você está abraçado atrás de mim em uma moto.
-Desculpe.
Então Giovanni e Oli com a moto,passaram pelo transito.E chegaram na delegacia.Oli ficava olhando para o seu carro o tempo todo(sim,o carro de Oli ainda dava para ser visto,mesmo na delegacia).
-Cara,será se vão ver o sangue e o corpo do cara do meu carro?
-Oli,não se fala isso numa delegacia.
-Desculpe.Mas e aí?Qual o plano?
-Bom nós...vamos perguntar quem é o cara que foi pego e...
-E...
-Não tenho ideia do que fazer.
-Espere,eu já sei.
Então Oli foi até o policial que estava atendendo.
-Bom dia,eu estamos fazendo um trabalho para a faculdade e a gente precisa entrevistar alguém que foi preso recentemente e aguarda interrogamento.Tem alguém que foi preso e aguarda interrogamento aí?
-Interrogatório você quis dizer não é?Nossa,o ensino superior no Brasil...Vocês fazem faculdade de que?
Oli ficou alguns segundos mudo,sem saber o que falar e disse:
-Faculdade de Mestrado.
-Mestrado?Bom,olha...pegamos um cara hoje,ele já vai ser interrogado.
-Acusado de quê?
-Trafico de drogas e...estelionato.
-É esse! – Gritou Giovanni.
-Está bem,vou chama-lo.
-Legal Giovanni,conseguimos.
-Ainda não.Nós nem sabemos como tirar o cara daqui,e nem sabemos se esse é mesmo o cara.
-Liga pro Tony.
-Boa ideia,vou ligar pro Tony,ele pode confirmar se o cara é esse mesmo.
Giovanni ligou pro Tony.
-Tony?
-Oi Giovanni,o que você quer?
-Chegamos na delegacia e tem um cara que parece que é o bandido que viemos matar.Como sabemos se ele é o cara certo?
-Er...manda uma foto,eu posso confirmar.
-Certo.
-Tchau
-Eu vou mandar uma foto do cara para o Tony.
-Beleza Giovanni. É a tecnologia a serviço da máfia .Ali vem o cara.
-O que vocês querem comigo? – Disse o cara.Um policial o conduzia.
-Nós só vamos fazer umas perguntas para o trabalho da faculdade.Primeiro vamos tirar uma foto.- Disse Giovanni.
-Epa ,fotos não – Disse o Policial
-Por favor cara, só uma,e só dele.Você não vai aparecer.
-Está bem,podem tirar. – Disse o policial.A atuação de Oli e Giovanni estava deveras convincente.Giovanni tirou a foto e mandou para o Tony.Ficou esperando uma mensagem de volta e nada.
-Pode começar a perguntar – Disse o policial.
-Está bem é...qual o seu nome? – Perguntou Giovanni.
-Milio Fernandes de Jesus. – Respondeu o bandido.
-Espere?Milio?Seu nome é Milio?!
-Meus pais eram analfabetos.Eles queriam que todos os filhos tivessem os nomes começados com as mesmas iniciais.Então colocaram Maria, Marineide, Mariovaldo, Maretusa,Mailson e eles achavam que Emilio começava com eme, sabe “EMI-lio” ,então colocaram esse nome ridículo em mim. – Respondeu o bandido.
-Que história triste! – Disse Oli
-Concordo - disse o policial
Enquanto eles conversavam,Giovanni estava agoniado esperando uma mensagem confirmando ou não se aquele era o bandido certo.Até que Giovanni recebeu uma mensagem confirmando.Agora ele só precisava de um jeito de tirar o cara de lá e mata-lo.
-É ,qual seu signo? – Perguntou Oli ao bandido.
-Signo,eu não estou aqui para responder essas perguntas?Estou aqui para denunciar um mafioso chamado Mateo.Ele é um assassino frio e pertence a uma máfia italiana. – Disse o bandido.
-Epa,agora eu é que vou fazer perguntas?Que máfia é essa?- Perguntou o policial.
Giovanni e Oli ficaram desesperados.Não sabiam que atitude tomar.Giovanni pensou em matar todos os policiais e civis que estavam naquela delegacia,mas era impossível.Oli não pensou e pegou sua arma,e a deixou escorregar.O bandido pegou a arma.
-Muito bem,afastem-se!Eu vou embora!- Disse o bandido.
-Solte a arma,solte a arma – Disse o policial apontando a arma para o bandido.Todos na delegacia ficaram histéricos.Oli e Giovanni se abaixaram.O cara foi andando de vagar até a porta,com vários policiais apontando a arma para ele,mas eles não atiravam por causa dos civis.Giovanni então se escondeu atrás de uma mesa, pegou seu revolver,tirou o silenciador ,e atirou num canto.Os policiais se assustaram e atiraram no bandido.O bandido levou tiros na cabeça,na garganta,no peito,de aproximadamente 5 policiais.Sangue se espalhou por toda delegacia.O bandido morreu.
***
-Que legal Oli.Eliminamos o bandido ,Mateo não será incriminado e saímos da delegacia calmamente como se nada tivesse acontecido.Seu plano de deixar o revolver cair foi perfeito.Pena que você perdeu sua arma.- Disse Giovanni.
-É,claro.Meu plano...- Disse Oli.
-Veja,seu carro ainda está lá.Intacto.
-Ufa,que sorte.
-O engarrafamento também.
-Que pena.
Então Oli e Giovanni se aproximaram e chegaram no carro.Encontraram um bilhete nele escrito “Vi tudo o motoboy,se não me deixarem 19 mil embaixo da placa ‘obedeça a sinalização’ denuncio vocês”.
-Droga! – Disse Giovanni.
-Calma,mas quem é que escreveu o bilhete?
-Não sei,aqui não diz nada.
-E como vamos arranjar 19 mil?
-Eu ligo para o Tony.Ou para o Mateo.
-E esse cheiro de morto dentro do meu carro?Ficou muito tempo no sol.
-Vamos ter que empurrar seu carro no rio.
-Ah não cara.
-Vamos sim.Depois compramos outro.E se você não aceitar isso...
-Eu sei,você me decepa.Vamos.
Então Oli e Giovanni tiraram o carro da pista e o empurraram para o rio.Oli ficou se lembrando de todos os momentos que passou com aquele carro.Como o roubou,como perdeu a virgindade nele.Como foi preso por roubar o carro.Como comprou de volta do carro do dono verdadeiro do carro.Como levou a adolescente que engravidou dele para o hospital naquele carro.Lembrou também de que tinha um cara no porta-malas dele.
-Tem um cara no porta-malas do meu carro,tem um cara no porta malas do meu carro! – Gritou Oli.
-Caramba,é mesmo!- Disse Giovanni.Então eles seguraram o carro que estava quase caindo na água,e tiraram o cara do porta-malas.
-Cara,salvamos sua vida. – Disse Oli.
-Obrigado. – disse o burocrata que estava no porta-malas.Ele não sabia o bem o que dizer então disse isso.
-E agora,o que faremos? –Disse Oli.
-Eu não sei,temos que esconder o carro,entregar os 19 mil e matar esse cara. – Disse Giovanni.
-Ei! – Disse o burocrata.
-Foi mal!Temos que...fazer esse cara assinar uns documentos. – Disse Giovanni.
-Olhe,eu posso ajudar.Tem 19 mil lá no cofre da secretária..Voltamos lá.Vocês tiram o dinheiro e me libertam.Pagam suas dividas e pronto. – Disse o burocrata.
-Como pegamos o dinheiro? – Perguntou Giovanni.
-Colocam mascaras ,dizem que é um assalto.Me usem como refém.
-Que boa ideia.Mas como nós três chegaremos até lá.Tá tudo engarrafado,nos dois sentidos e não temos carro. – Disse Giovanni.
-Olha Giovanni.Não jogamos meu carro ainda no rio.Só jogamos o corpo do motoboy e aguentamos o fedor.O engarrafamento não tá tão grande até na prefeitura.- Disse Oli,se sentindo um gênio.
-Se não tem outro jeito,vamos. –Disse Giovanni.
-Espere seu burocrata,qual seu nome? – Perguntou Oli.
-É Émile. Émile Durkheim. – Respondeu Émile Durkheim,o burocrata.
-Olá Émile.Coincidência,é o segundo Émile que conhecemos hoje.Ou quase. – Disse Oli.
Então Oli,Giovanni e Émile entraram no carro,prenderam a respiração e foram até a prefeitura.Saíram do carro e estavam com as roupas todas sujas de sangue.
-E agora,e esse sangue todo?-Disse Oli.
-É bom,assim o pessoal tem mais medo da gente agora cubra o rosto. – Disse Giovanni.
Então Giovanni e Oli cobriram seus rostos,entraram na prefeitura e anunciaram assalto.Todos se esconderam.Eles levaram Émile até a sala onde estava o cofre.
-Qual a senha do cofre? – Perguntou Oli.
-7272 72874242 – Respondeu Emile.
Então Oli digitou a senha e o cofre se abriu.
-Cara,tem 19 mil aqui certinho – Disse Oli,muito surpreso.
-Pois é,que sorte. – Disse Giovanni.
Então quando Oli e Giovanni se viraram viu Émile apontando uma metralhadora para eles.
-Émile,cara,você é nosso amigo.Por que vai nos denunciar?- Disse Oli.
-Amigo?Que idiotice de se dizer.Vocês me ameaçam de morte me trancam no porta-malas de um carro vagabundo e me chamam de amigo?! - Disse Émile.
-Espere,você armou isso tudo? – Perguntou Giovanni,ligando os fatos.
-Sim babaca.Eu escapei facilmente daquele carro e pensei,por que não pegar os 19 mil do cofre que eu estou de olho a tempos e colocar a culpa nesses caras?
-Droga!Nunca se deve confiar num funcionário público.Minha mãe sempre dizia isso. - Disse Oli.
Então Giovanni atirou em Émile.O tiro não matou Émile,mas ele largou a metralhadora.Era uma metralhadora muito cara para um simples funcionário publico.E era muito estranho ele guardar ela em ambiente de trabalho.
-Giovanni,você vai mata-lo? – Perguntou Oli.
-Sim,podemos ameaçar outro funcionário.
-Eu sei,mas antes vamos ler Ezequiel 25:17,lembra?
-É mesmo.Eu sempre quis entender porque Mateo e Tony viviam falando desse versículo quando tínhamos que matar alguém.Eu descobri que eles tiraram isso de um filme,com aquele ator negão.
-Certo,aqui tem uma Bíblia,eu vou procurar.
-Está bem Oli.
-Me matem logo – Disse Émile,agonizando.
-Cala a boca! – Disseram Oli e Giovanni ao mesmo tempo.
-Achei!Leia Giovanni. – Disse Oli.
-Lá vai. – Disse Giovanni,então ele fez a maior cara de mau,engrossou a voz e disse –“E executarei sobre eles grandes vinganças, com furiosos castigos, e saberão que eu sou o SENHOR, quando eu tiver exercido a minha vingança sobre eles.”-Giovanni ficou calado por um tempo e olhou para Oli,que também estava calado.
-Achei que era maior o versículo. – Disse Oli.
-Eu também- Disse Giovanni.Que atirou em Émile.As tripas de Émile saíram de seu corpo.Seu sangue se espalhou pela sala.Émile morreu.
-Toma essa!Vá procurar uma aproximação científica para os fenômenos sociais no inferno seu babaca.Vê se lá as sociedades podem manter a sua integridade e coerência. – disse Oli.
-Hem?- Disse Giovanni.
-É uma piadinha,sabe.Émile Durkheim foi um sociólogo e...esquece. – Disse Oli.
-Bom,vamos embora – Disse Giovanni
-Deixamos tudo aqui?
-Pegue o dinheiro. Vamos para casa.Outro dia a gente resolve o lance dos documentos.O tio vai entender,e vai gostar com a gente chegando com 10 mil pra máfia.
-Mas aqui tem 19 mil e...Ah,entendi. - Disse Oli.
-Vamos dividir os 9 mil entre a gente.Vai ser uma divisão 60/40. 60 para mim claro. -Disse Giovanni.
-Não é justo.Tem que ser 60 por cento para mim e 40 para você. - Disse Oli.
-Eu fiz mais,mereço mais grana.
-Meu carro foi estragado.Vamos fazer assim,60/60, assim ambos ganhamos mais.
-Certo,vamos embora logo. - Disse Giovanni.
-Mas acabou a gasolina do meu carro.
-Vamos de ônibus.
-Mas,estamos sujos de sangue,e com dinheiro.
-Sexta-feira,de tarde,engarrafamento.Ninguem no ônibus vai ligar para isso.Se ligarem vão saber que o estresse vai ser maior.
Uma pessoa entrou na sala e viu a sangrenta situação.Giovanni tentou atirar no cara mas as balas acabaram.Então ele pegou um notebook e arrebentou na cabeça do cara.
-É a tecnologia a serviço da máfia. – Disse Giovanni.
Então eles voltaram para casa.No dia seguinte Oli voltou e seu carro estava no mesmo lugar.A policia arquivou o caso.



sexta-feira, 8 de março de 2013

Dr. Fantástico ou: Como aprendi a parar de me preocupar e amar a bomba


Dirigido por Stanley Kubrick (diretor de filmes como  “Laranja Mecânica”, “O Iluminado” e “Nascido para matar” ,“2001:Uma Odisséia no Espaço” e uma cambada de outros filmes bons) esse filme que tem o melhor título de filmes na história do cinema,na minha opinião,Dr. Fantástico
(Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb) é um filme Fantástico.Ele é de 1964,já existia filmes em cores,mas ele é em preto-e-branco.
 Sterling Hayden,como General Ripper

O filme fala sobre a paranóia de uma possível guerra nuclear entre EUA e União Soviética.Foi baseado no livro "Red Alert".O General Ripper (Sterling Hayden) fica maluco e ordena ataque à União Soviética,autorizando o “Plano de Ataque R”, que só é usado em ultímo caso. Nesse plano, as comunicações são reprogramadas em outra freqüência e só é acessível com uma combinação de três letras que só Ripper conhece.Essa notícia chega ao presidente americano (Peter Sellers)que faz de tudo para que o ataque não ocorra, pois sabe que se acontecer, a União Soviética revidará e iniciará uma guerra nuclear que destruiria o mundo.

No início do projeto,o filme seria um filme sério,mas o medo real de uma guerra nuclear na época da Guerra Fria fez com que Kubrick optasse por fazer desse filme uma comédia.Precisa ser uma pessoa bem feliz para gargalhar com esse filme hoje em dia.Não o que o filme não seja engraçado,ele é muito engraçado,uma das melhores comédias que existem,mas a gente aprecia as piadas mais pela inteligência delas do que por elas serem engraçadas.A famosa frase "Não podem brigar aqui,é a Sala de Guerra!" e a placa "Paz é a nossa profissão" em meio ao combate sangrento são exemplos de como a ironia e o humor negro são presentes nesse filme.Quando eu assisti pela primeira vez eu demorei para entender  o filme,mas da segunda vez eu encarei o filme como se fosse um jogo em que eu tenho que achar essas piadinhas,que estão presentes até no nome dos personagens,como o General Bat Guano,Major T.J King Kong, Merkin Muffley (esse é uma referencia a gírias sobre as partes femininas).
Tracy Reed a única mulher do filme,como a secretária do General Turgidson.No avião o Major T.J King Kong lê uma Playboy (Junho de 1962) em que ela aparece.

O filme brinca com estereótipos.Os soldados americanos são uns "caubóis" os generais são malucos por poder,os russos são bebados...

É interessante ver que o filme não "Puxa-saco" dos americanos nem dos soviéticos.Pra  mim esse filme é para  a Guerra Fria,assim como "O Grande Ditador" foi para a II Guerra mundial.Mostra que ambos os lados são maníacos por poder e fazem de tudo pra conseguir levar vantagem sobre tudo,mesmo diante do iminente fim do mundo.
Dr Fantástico,O presidente e Capitão Mandrake.Os três são o mesmo ator.

O filme se chama Dr. Strangelove por causa de um  Dr. Maluco,que atua como conselheiro na sala de guerra.Pete Sellers interpretou o Dr. Fantástico.Pete Sellers tambem interpretou o personagem  Lionel Mandrake e o Presidente americano,o único personagem sensato desse filme.Pete Sellers ganhou 1 milhão de dólares (55% do orçamento do filme) para interpretar esses três papeis.Dizem que o Kubrick disse "Paguei 3 pelo preço de 6",mas valeu a pena,muitas das falas de Pete Sellers foram improvisadas.Kubrick gargalhava desse improviso nos bastidores.Outra cena improvisada foi quando o General Turgidson começa a falar andando na sala de guerra,atropeça e se levanta como se nada tivesse acontecido.O ator George C. Scott atropeçou e Kubrick pensou que era um improviso do ator.

George C. Scott,como General Turgidson
Algumas coisas foram cortadas desse filme.O presidente seria atigindo por uma torta,mas o presidente Kennedy havia sido morto há pouco tempo,essa cena seria chocante.O presidente seria meio efeminado,mas Kubrick achou melhor deixar ele ser um personagem sério.O filme tambem mostraria alienígenas observando esse xadrez com o "fim do mundo".

O Presidente ameicano conversando por telefone com o embriagado presidente russo e com o embaixador russo olhando tudo.Por mais sério que o presidente seja,esse diálogo é muito engraçado.
Outra coisa interessante sobre o filme é a Sala De Guerra.Ela é icônica,e grandiosa.Dizem a lenda que quando Ronald Reagan virou presidente e viu que na vida real a Sala de Guerra era apenas uma sala ele se decepcionou.
Sala de Guerra no filme


Sala de Guerra na vida real

Esse filme vale a pena assistir.É um suspense danado saber o que acontece no final do filme,que é espetacular (pra não dizer Fantástico).

Dr. Fantástico,ou Dr Strangelove,ou Dr Estranhoamor em Portugal.Ele claramente representa os cientistas nazistas que foram usados pelos americanos na Guerra Fria.No filme ele parece ter a Síndrome da Mão alheia,que tambem é chamada,por causa desse filme,de Sindrome  do Dr. Strangelove


"We'll meet again, Don't know where,don't know when."

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...